Mutação no gene de Resistência a múltiplas drogas 1 (MDR1)

Rev.  Marco 2013

 

Ser portador de somente una  una cópia da mutação no gene de resistência a múltipas drogas 1 (MDR1) pode fazer o cão  sensível a ertos medicamentos, algumas vezes até  ao ponto de apresentar sérios problemas neurológicos, podendo até chegar à morte.  Felizmente, existe um teste de DNA extremamente acurado que permite que você     saiba se o seu ção tem esta mutação.

A mutação é muito comum em Pastores Australianos (aproximadamente a metade possui ao menos uma cópia), e então todos os cães, e até mesmo cães que não sejam puros, mas misturas com esta raça, devem ser testados. Há somente uma exceção: se ambos os pais de um cão tiverem sido testados, com resultado “clear” ou “não portador” (com nenhuma cópia da mutação), eles não podem passar este problema genético para a prole, e esta não necessita ser testada. O teste precisa ser feito somente uma vez na vida do animal.

Se o resultado do teste de seu cão mostrar que ele tem uma ou duas cópias da mutação, guarde uma cópia deste resultado e uma cópia da lista de medicamentos aos quais ele é sensível. Forneça cópias destes documentos a qualquer médico veterinário que for tratar de seu cão e diga a ele para colocar estas informações no prontuário de seu cão e não administrar qualquer das drogas listadas sem a sua permissão expressa.

Ivermectina foi a primeira droga a ser reconhecida como sendo a causadora deste tipo de reação, mas não é a única. Ivermectina em uma dosagem baixa, como a utilizada em vermífugos, não irá causar a reação mais grave. Outras drogas comuns a serem evitadas incluem acepromazina (ou acepran, um tranquilizante) e Imodium. Felizmente, existem alternativas disponíveis para estes tipos de medicamentos, caso seu cão necessite.

 Teste seu Aussie para MDR1. A vida dele pode depender disto!

Traduzido de Fabiana Michelsen de Andrade